Sempre houve outros meios para se resguardar os direitos do artigo 5° da nossa Carta Magna. Segundo RONALD DWORKIN, “o direito não é somente aplicação de normas, o Direito não é somente um conjunto de leis e um sistema fechado. O principal objetivo do direito é uma ferramenta escrita num determinado tempo e espaço para harmonização de conflitos e principalmente para que se possa a sociedade alcançar o ideal de justiça no caso concreto.”

Bem antes do pensamento para se fazer a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), diga se de passagem, somente cabe a ela uma parte de tratamento de dados pessoais, já existia no Código Civil outras formas para resguardar o direito das pessoas quando eram violadas sua intimidade, sua vida, privada , sua honra, sua imagem, através da responsabilidade civil, em seus artigos 186 e 187, onde a pessoa tem o dever de indenizar pelo dano causado, seja pela ação ou pela omissão, quando os limites da boa-fé ultrapassa a dignidade humana na sua liberdade de expressão, ou seja,  a obrigatoriedade de reparar dano material ou moral, causado a outro em decorrência da prática de um ato ilícito. Traz-se também, o direito ao esquecimento, valor constitucional, invoca o direito de deixar a pessoa em paz, para que ela possa ser feliz na sua dignidade humana, como o caso da promotora que participou de um concurso para magistratura que foi anulado por fraude. O nome dela ficou indexado no Google, toda vez que se escrevia seu nome aparecia a palavra “Fraude”. Conseguiu que o CNJ decisão que a mesma não tinha nenhuma vinculação com àquela fraude.

O mesmo ocorreu com o caso do Red Kimono, uma garota de programada de 16 anos aliciada por outras moças, dos 16 aos 26, aos 27 anos apaixonada, casa e sua vida é exposta nos jornais. Por ter marido e filho e não se sentindo bem pela exposição e por não estar mais naquela vida, entrou na corte americana e conseguiu o direito ao esquecimento. Outro caso, da jovem de 18 anos Aída Cury, molestada, violentada e morta por jovens da alta sociedade do Rio de Janeiro. como o  Além do caso do Massacre da Candelária, onde a sexta pessoa envolvida se arrependeu e não participou, mas sempre que o documentário aparecia na nas mídias televisivas, o nome do sexto individuo aparecia, ambos os casos ganharam o direito ao esquecimento e com isso a dignidade humana foi restabelecida

 

Dra Fabiana Calfat

Sobre: 

  • A Calfat Advocacia é um escritório de assessoria legal que há mais de 20 anos visa proporcionar atendimento jurídico através de consultas verbais e/ou escritas, através de pareceres, bem como defender o interesse do cliente, ou de seu corpo diretivo nas possíveis ações judiciais, de forma permanente.
  • Tel1:. (11) 4702 4840 
  • Tel 2:. (11) 4702 4055
  • Cel:.(11) 96629-1347 + Whatsapp

 

 

Atendimento :

  • SEGUNDA-FEIRA 09:00 ÀS 17:00
  • TERÇA-FEIRA       09:00 ÀS 17:00
  • QUARTA-FEIRA    09:00 ÀS 17:00
  • QUINTA-FEIRA      09:00 ÀS 17:00
  • SEXTA-FEIRA        09:00 ÀS 17:00
  • Emergência acessar whatsapps 

    

Conteúdo:

Através de uma assessoria jurídica preventiva, nossos clientes se resguardam de possíveis demandas judiciais propostas contra si, encontrando resguardo legal na solução de questões de seu cotidiano.

Privacidade:

  • A  "Calfat" zela pela privacidade e proteção dos dados pessoais de seus clientes e visitantes, mantendo assim a relação de confiança, respeito e transparência. Apenas pessoal qualificado e autorizado tem permissão para acessar os dados coletados.Em nenhuma circunstância, tais informações são vendidas ou compartilhadas com terceiros, de acordo com a LGPD (lei 13.709, de 2018)

 

 

 

Pin It on Pinterest

Share This
Abrir Whatsapp
Precisa de Ajuda?
Olá Podemos ajudar?